Campanha de autodeclaração racial e étnica dos jornalistas

“Jornalista de verdade assume a sua identidade”

“Como questão estrutural da sociedade brasileira,
as relações raciais necessitam de atenção dos jornalistas”.
Tese Visibilidade às Questões Étnicas nos Meios de
Comunicação e no Mercado de Trabalho, aprovada no
31º Congresso Nacional dos Jornalistas – 2004.

O racismo constitui o fundamento para a estruturação e a hierarquização racial das sociedades, colocando os/as afro-descendentes e os/as indígenas nos extratos mais baixos da pirâmide social, política e econômica. Sendo assim, o uso estratégico da informação estatística, capaz de reconhecer esses povos e as condições socioeconômicas em que vivem, é uma das ferramentas para que sejam incorporados nas políticas públicas em condições de igualdade.

Nesse sentido, as informações sobre raça, cor e etnia no cadastro sindical vão derivar dados estatísticos confiáveis e influenciar a análise de indicadores sobre o modo de vida profissional dos/as jornalistas afro-descendentes e indígenas, subsidiando a luta por políticas de igualdade racial no mercado de trabalho.

A inclusão do item raça/cor/etnia na ficha cadastral dos sindicatos dos jornalistas foi uma deliberação do 31º Congresso Nacional dos Jornalistas, realizado em agosto de 2004, em João Pessoa (PB), que deve ser cumprida pela FENAJ e os 31 sindicatos filiados.

Colabore. Procure o seu sindicato e atualize a sua ficha de cadastro.

Jornalista de verdade assume a sua identidade!

As peças da campanha estão disponíveis para download no site da Fenaj: http://www.fenaj.org.br/campanha.php

20111015-192956.jpg

Anúncios

7º Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero

Para estimular a reflexão em torno de todas as formas de discriminação – sexual, étnica, racial, por orientação sexual – foi publicado o 7º Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero.

O Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero integra o conjunto de ações do Programa Mulher e Ciência, composto também pelo edital de apoio a pesquisas no campo dos estudos de gênero, mulheres e feminismos e pelo Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisa – Pensando Gênero e Ciências.

Este programa tem por objetivo estimular a produção científica e a reflexão crítica acerca das desigualdades existentes entre mulheres e homens em nosso país, contemplando suas intercessões com as abordagens de classe social, geração, raça, etnia e sexualidade.

Para participar basta escrever uma redação ou um artigo científico dizendo sua opinião sobre a situação das mulheres no nosso País. Acesso o site www.igualdadedegenero.cnpq.br e acesse o regulamento.