Crack é tema de debate em Brasília

No dia 11 de junho, o auditório do Museu da República será palco do debate “Crack, violência e ressocialização por meio da cultura hip hop”. Representantes do governo, entidades do terceiro setor, parlamentares e músicos – rappers de renome nacional – participarão do evento.

Atualmente, cerca de 600 mil pessoas são dependentes de crack, somente no Brasil. Cinco vezes mais potente que a cocaína – mais barato e acessível que as demais drogas – o crack tem sido cada vez mais consumido, entre pessoas de diferentes classes sociais. O crescimento assustador no consumo da droga será será abordado na capital federal.

No dia 11 de junho, o Museu da República será cenário do debate “Crack, violência e ressocialização por meio da cultura hip hop”. O evento tem início às 15h30, no auditório do local. Participam da discussão: Dexter, Mano Brown, GOG, deputado Protógenes, deputada Erika Kokay, a Sociedade Organizada contra o Crack e representantes do Governo do Distrito Federal. Sabrina Horário Faria, do Coletivo Pretas Candangas, será a mediadora do evento.

O evento tem apoio do Governo do Distrito Federal, em especial da Secretaria de Estado de Cultura e da Secretaria de Estado de Juventude do DF, e é uma ação organizada coletivamente com entidades e produtoras da cidade ligadas à cultura hip hop.

Serviço: Debate “Crack, violência e ressocialização por meio da cultura hip hop”
Convidados: Dexter, Mano Brown, GOG, Deputado Protógenes, Sociedade Organizada contra o Crack e representantes do Governo do Distrito Federal.
Mediação: Sabrina Horário Faria, (Coletivo Pretas Candangas)
Data: 11 de junho, às 15h30
Local: Auditório do Museu Nacional do Conjunto Cultural da República
Entrada franca.

Anúncios